Mulas e Carregadores

Mulas se aproximando à base do Aconcágua - Foto de Maximo Kausch

Mulas se aproximando à base do Aconcágua – Foto de Maximo Kausch

As características físicas do Aconcágua fazem que muitas pessoas comparem a montanha com as acima de 8 mil metros no Himalaia, por isso alguns chamam o colosso das Américas de “Pequeno 8 mil”.

c0001

O atual guia de montanha Pedro Hauck escalando o Aconcágua sem Mulas no ano de 2002. Até hoje um dos poucos brasileiros a fazer a montanha neste estilo até hoje.

De fato as longas distâncias, sobretudo para chegar nos acampamentos base Plaza de Mulas e Plaza Argentina (pelo glaciar Polacos), fazem do Aconcágua uma montanha muito difícil se não fossem as mulas. Como você carregaria os mais de 50 quilos de equipamentos, entre comida para 15 dias, barracas, sacos de dormir e roupas?

Por incrível que parece há algumas pessoas que conseguem, mas isso é tão incomum que hoje em dia já nem há opções de ir para o Aconcágua sem as Mulas, não que a direção do parque não tenha pensado que há pessoas que optem por isso, mas por que há temporadas inteiras que isso não ocorre.

Há quem critique o emprego das mulas no transporte de equipamentos dos montanhistas no Aconcágua, no entanto seria impossível existir uma estrutura tão complexa como a de Plaza de Mulas sem elas. O emprego de Helicóptero, além de ser muito mais caro e poluente, ainda gera muita poluição sonora o que espantou os animais selvagens do parque, como os Guanacos, que são cada vez menos frequentes e comprovadamente se estressam com o barulho das aeronaves.

A contratação de Mulas para o Aconcágua se dá nas agências pela internet ou em Mendoza. Trata-se do serviço mais básico na montanha e o preço depende do trecho. Os valores são atualizados todos os anos.

Os animais chegam apenas em Plaza de Mulas. A partir dali se você não aguenta carregar peso ou quer economizar energia, pode contratar carregadores, os chamados “porteadores“. Geralmente as pessoas que fazem este serviço ficam durante a temporada de montanha em Plaza de Mulas esperando pelos clientes. Há porteadores que trabalham somente para as agências e outros que ficam à disposição. Normalmente são alunos do curso de guias que fazem um bico para ganhar um dinheiro na temporada e ganhar também experiência.

Eles são organizados em um sindicato e o preço é tabelado, sofrendo alteração todos os anos. Os valores dependem do local de destino dos acampamentos: Plaza Canadá, Nido de Condores ou Berlin. Como base, um porteio de Plaza de Mulas até este ultimo acampamento (evidentemente o mais caro) era de 290 dólares!

Leia mais:

:: Tudo sobre animais de carga usados em montanhas

Comments are closed